Reunião: equipe do Programa Melhor em Casa discute atividades para 2019

Postado em 15/01/2019 Facebook Twitter Google Print

Na manhã desta terça-feira (15), o coordenador do Programa "Melhor em Casa", enfermeiro Davi Moita, se reuniu com profissionais da equipe para discutirem metas de atividades para 2019. O programa foi considerado positivo no ano de 2018 e receberá melhorias nesse novo ano.

O programa do Ministério da Saúde, que até 2016 praticamente não saiu do papel, em 2017 começou a ser estruturado e no ano passado alcançou conquistas significativas.

O "Melhor em Casa" conta com um médico, três enfermeiras, uma nutricionista, duas fisioterapeutas, um psicólogo, uma assistente social e três técnicas em enfermagem.

De acordo com Davi Moita, o ano de 2018 foi considerado positivo em comparativo com os anos anteriores, pois as falhas existentes no passado estão sendo corrigidas e assim melhorando o atendimento à população.

“No ano de 2018 consideramos como positivo, no que diz respeito aos atendimentos que foram realizados, a procura da sociedade e, por sua vez, a cobertura dada pelo programa, fazendo um parâmetro com os anos anteriores, pois percebemos que a cada ano que passa, as falhas percebidas nos anos anteriores são corrigidas e assim aprimoramos os atendimentos. Evidentemente que existe sempre uma surpresa da nossa parte no que diz respeito a necessidade dos pacientes para com o programa e porque não imaginávamos que tinha tantos pacientes necessitando de tais cuidados, mas estamos tentando e trabalhando, junto a equipe municipal, por orientação do prefeito e o secretario de saúde em dar os melhores cuidados a esses pacientes”, disse.

Atualmente o Programa em Barras é um serviço que assiste pessoas que apresentam dificuldades de sair de casa para uma unidade da Saúde, ou ainda, para pessoas que estejam em situações nas quais a atenção domiciliar é a mais indicada para o seu tratamento, oferecendo ao paciente um cuidado mais próximo da família.

O programa representa um avanço para o sistema de Saúde pública do município com assistência médica, o acolhimento e as abordagens psicossocial e de integração que muito favorecem à recuperação do paciente de alta hospitalar, mas que precisa ser cuidado em casa com a participação da família preservando os vínculos familiares.

 O programa traz também, além da humanização de atendimento, outros benefícios aos pacientes como menor exposição a infecções hospitalares, maior conforto para o usuário e sua família e uma maior autonomia para o cuidador e paciente.

 

Melhorias

Segundo Davi Moita, coordenador do programa, em 2019 o Melhor em Casa receberá melhorias para melhor atender seus pacientes. “Está previsto uma melhora na qualidade de material, na assistência, nas coberturas, nos materiais e equipamentos de fisioterapia e os meios de condução. Está previsto a doação de uma vã para a condução de nossa equipe, que em 2018 era um problema, pois a equipe era transportada em um carro alugado pequeno, que não cabia o grupo”, explicou.